Variantes da COVID-19

A variante Delta

A variante Delta (B.1.617.2) do vírus que causa a COVID-19 é agora a cepa dominante de COVID-19 em Rhode Island.

  • Tomar a vacina contra a COVID-19 é a coisa mais importante que você pode fazer para se proteger e proteger as pessoas ao seu redor da variante Delta.
  • O uso de máscaras pode ajudar a limitar ou evitar a propagação da variante Delta.

A variante Delta é muito mais agressiva que outras cepas que já vimos porque ela se propaga de forma mais fácil e mais rápida, e pode causar doenças mais graves. Embora alguém que tenha contraído uma das outras cepas do vírus possa contaminar 1 ou 2 outras pessoas, alguém com a variante Delta poderia contaminar 6 ou 7 outras pessoas.

  • As pessoas não vacinadas são as que correm maior risco de ter e propagar a variante Delta. A propagação mais alta de casos e os resultados mais graves estão acontecendo em lugares com baixas taxas de vacinação.
  • Se ainda não estiver totalmente vacinado, vacinar-se, usar máscara e fazer testes semanalmente são medidas mais importantes do que nunca para impedir a propagação da variante e para proteger o progresso que fizemos.

Os dados sugerem que as vacinas contra a COVID-19 ajudam a proteger contra a variante Delta.

  • A vacinação evita a doença grave, hospitalização e morte pela variante Delta.
  • Algumas pessoas vacinadas podem contrair a variante Delta da COVID-19, mas esses casos são raros. A maioria das hospitalizações e mortes continua sendo entre pessoas não vacinadas.
  • Esteja ou não totalmente vacinado, faça o teste imediatamente, se apresentar sintomas de COVID-19, mesmo que você ache que é apenas um resfriado ou alergias.

A variante Delta se propaga mais facilmente entre todas as pessoas, inclusive grupos mais jovens.

  • A vacinação é especialmente importante para qualquer pessoa com 12 anos de idade ou mais, que esteja em comunidades escolares. Para crianças com menos de 12 anos de idade que ainda não estejam elegíveis para a vacina, outras ferramentas preventivas como máscaras, distanciamento físico e testes são fundamentais.
  • O Departamento de Saúde de Rhode Island (RIDOH) recomenda que todos os professores, funcionários, alunos e visitantes a escolas K-12, inclusive pessoas que estejam totalmente vacinadas, usem máscaras em ambientes internos.

Tratamento com MABS (anticorpos monoclonais) pode evitar que fique mais doente com a variante Delta.

Os Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC, Centers for Disease Control and Prevention) estão a seguir de muito perto a variante Delta. Em algumas regiões, a variante Delta representa mais de 50% dos casos relatados. Para mais informações, ver Rastreador de dados COVID do CDC. (somente inglês)

O RIDOH continua a monitorizar os casos de COVID-19 para a variante Delta. Para fazer o seguimento em Rhode Island, consultar a página de variantes da RIDOH do Rastreador de dados COVID-19. (somente inglês)

O que sabemos sobre variantes

  • Os vírus sofrem mutações a toda a hora. Isto é normal e esperado. Estas mutações podem acontecer quando um vírus passa de pessoa para pessoa. Quando um vírus sofre uma mutação, à nova versão chamamos “variante”. Existem múltiplas variantes do vírus que causa a COVID-19. Os cientistas, especialistas em saúde e médicos estão a estudar estas variantes para entender como as mutações no vírus afetam a forma como este se espalha e infeta as pessoas. Para entender melhor o que são variantes, como se formam e como se espalham, ouça este episódio de Public Health out Loud. (somente inglés)
  • As variantes são encontradas em todo o mundo. O CDC está a monitorizar estas variantes e publica atualizações numa página da web sobre as variantes da COVID-19 (somente inglês).
  • Algumas variantes disseminam-se mais facilmente e rapidamente do que outras variantes. Isto significa que podem causar mais casos de COVID-19, o que pode levar a mais hospitalizações e mais mortes. Algumas variantes também podem afetar os nossos tratamentos, vacinas e testes. Chamamos a estas “variantes preocupantes”.
  • As variantes preocupantes da COVID-19 são agora dominantes em Rhode Island. O RIDOH está a monitorizar estas variantes e a publicar dados (somente inglês) no Monitor de Dados sobre a COVID-19.
  • Os dados sugerem que as vacinas COVID-19 autorizadas para utilização nos Estados Unidos oferecem proteção contra todas as atuais variantes da COVID-19.
  • Todos nós podemos ajudar a prevenir a propagação destas variantes, seguindo as orientações básicas para protegermos o nosso agregado familiar. Isto ajuda as famílias, os negócios e a economia de Rhode Island. Continue a usar máscara, mantenha o distanciamento, siga os requisitos de quarentena e de isolamento, faça o teste com frequência e seja vacinado quando disponível.

O que não sabemos sobre variantes

Os cientistas estão a trabalhar para aprenderem mais sobre estas variantes, e são necessários mais estudos para entender:

  • Quão amplamente estas variantes se disseminaram
  • Se estas variantes causam uma doença mais ligeira ou mais grave nas pessoas
  • Como é que estas variantes podem afetar os tratamentos, vacinas e testes atuais

O que é que Rhode Island está a fazer?

Os Laboratórios Estaduais de Saúde do RIDOH coordenam o programa de vigilância genômica do SARS-CoV-2 em parceria com o CDC e laboratórios acadêmicos e clínicos. Isso significa que estamos sequenciando e analisando uma seleção representativa de amostras do vírus que está circulando no estado para identificar diferenças entre essas amostras e o material genético do vírus original. 

Estamos a partilhar os resultados destas análises na página de variantes do Monitor de Dados sobre a COVID-19. (somente inglês)

Recursos (somente inglês)